Leia Sabrina

Na terceira aula do projeto Eu escritor, o contista Fernando Farias propõe aos futuros autores que parem de escrever e leiam mais, só assim será possível amadurecer para poder criar novos mundos.

Por Fernando Farias

 

Livro Sabrina

Um padeiro que não gosta de comer pão.

Este seria um tema interessante para um conto. Um velho que dedicou toda a vida a ser padeiro, mas não suporta o cheiro das massas e nunca come um pedaço de pão. Quando os clientes descobrem isso boicotam a padaria. Como terminaria esta história?

Um escritor que não gosta de ler livros.

Seria este um bom título para outro conto. Humor negro. Um roteiro para uma comédia americana nos filmes da Sessão da Tarde. Mesmo assim ele ainda se autodenomina escritor. Uma graça.

Nenhuma oficina literária poderá fazer nada pelo jovem aspirante a escritor se ele não se dedicar a leitura. O bom escritor não é o que escreve, é o que lê. Ler mais, muito mais do que escreve.

Uma aluna minha, há dois meses,não escreve nada. Pensei até que tinha desistido. E quando ela veio falar comigo, eu já esperava as desculpas que conheço: que está sem poder escrever por falta de tempo e inspiração, muito trabalho, estudos. Mas fiquei feliz ao escutar, “Fernando, estou sem tempo para ler, não consegui mais escrever”. Descobri que esta jovem será uma grande escritora.

Sabrina

Seja o maior e o melhor escritor do mundo, ele precisa ser provocado. Estimulado pela leitura de outros autores. E cada vez mais se tornam exigentes com a boa leitura. Digas o que estás lendo, eu te direi quem é.

Peça à mocinha da banca de bicho para escrever um poema e ela escreve, na hora. Será um poema de acordo com suas referências literárias, quase certo um poema no estilo de músicas românticas, “volta meu amor”, ou histórias parecidas com os romances da coleção “Sabrina”. Nada contra. Sou até a favor de uma campanha que diga “leia Sabrina, mas leia”.

Se você escreve, e lê, e estuda, e mastiga Flaubert, Garcia Marques, Ítalo Calvino, Guy Maupassant, Jorge Luís Borges e Anton Tchecov, escrever será um prazer melhor do que muitos orgasmos.  Talvez nem precise de oficinas literárias. Onde você acha que os instrutores de oficinas aprenderam o que sabem e ensinam? Quer um mestre melhor do que estudar Madame Bovary?

Sabrina

Se eu pudesse dizer a verdade a muitos amigos e amigas que me mandam seus contos, sem ser visto como indelicado, eu diria, pare de escrever e tire seis meses para ler. Compre um caderno bem grande e copie com uma caneta preta todo o livro Cem Anos de Solidão e pense no que o Gabriel Garcia Marques pensou quando escreveu cada linha. Seguindo o conselho do escritor Raimundo Carrero, o segundo livro que eu escrevi na vida foi O Aleph do Borges. Dois cadernos com os contos e muitas anotações.

Nesta minha primeira oficina, como exercício, meu aconselho é que pare de escrever. Deixe tudo na gaveta e vá ler um livro.  Leia Maupassant ou Sabrina. Mas leia.

Fotos: internet

4 thoughts on “Leia Sabrina

  1. Perfeito conselho, Ler os clássicos,ler os poetas, os romencistas, ler é o melhor caminho para o escrever!!!

  2. Também concordo que a leitura é fundamental. Dia desses li Mrs Dalloway e Educação sentimental. Depois, precisei de muita coragem pra reler o romance que eu achava que estava pronto, e que era o máximo, rs.
    Abraços a todos! Legal teu blog, Ney.

  3. Meu amigo faceano(amigo via face),concordo com você ,quando diz,que não adianta escrever sem ler(rs.. como dizia meu avô e muitos outro ou melhor como diz o ditado popular “,escreveu não leu o pau comeu”)-Sócrates foi considerado uns dos melhores filosofo de sua época e nunca escreveu nada,nenhum livro,mas no entanto era tão persuasivo que vivia cercado de seguidores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *